quarta-feira, agosto 29, 2007

Um problema de gramática, a quem interessar... Ou: o jogo dos vários erros

A Secretaria de Transportes de Nerópolis disponibiliza ônibus para a capital aos estudantes. Com o intuito de melhorar a qualidade do transporte, entregou o seguinte aviso aos usuários:

ATENÇÃO

  • NÃO JOGAR LIXO NO CHÃO DO ÔNIBUS;
  • NÃO PISAR NAS POLTRONAS DO ÔNIBUS;
  • NÃO SENTAR NO BRAÇO DAS POLTRONAS DO ÔNIBUS;
  • NÃO FALAR ALTO DENTRO DO ÔNIBUS;
  • NÃO FAZER BAGUNÇA AO ENTRAR NO ÔNIBUS;
  • NÃO ALIMENTAR DENTRO DO ÔNIBUS;
  • RESPEITAR OS COLEGAS DENTRO DO ÔNIBUS CASO ESTEJAM DORMINDO.

OBS: caso ocorra reclamações e fujam das regras estará sujeito a exclusão do ônibus.

(POIS DEVEMOS MANTER A ÉTICA, O RESPEITO E A LIMPEZA DO ÔNIBUS. POR QUE ELE TAMBÉM E SEU, E VOCÊ TAMBÉM TEM QUE CUIDAR. “PRESERVE”)

Pois bem, o “aviso” tem a assinatura do secretário do transporte neropolitano, sr. Leoncio Pinto de Mendonça. Com isso, quer elevar-se à categoria de documento formal. Mas nem só de assinatura se faz um documento...

Diz-se que, se a mensagem foi transmitida, é porque a linguagem é eficiente. Eu mesma partilho dessa opinião. Mas é preciso considerar os diferentes graus de eficiência de uma mensagem. Isso significa ter em mente o contexto em que a mensagem deve ser transmitida e, a partir daí, escolher o registro mais adequedo. Sei que a mensagem do “aviso” foi comunicada sem maiores perturbações, mas há algo de risível na redação deste documento justamente pela incoerência entre sua pretensa formalidade e o “estilo” econômico-pródigo de sua linguagem.

Pródigo naquilo que é desnecessário. Alguém me diga por que se repetir insistentemente a expressão “do ônibus”! Talvez seja esse algum recurso retirado da poesia concreta. A insistência nos traz o ritmo do ônibus sacolejando no caminho, e termina por nos provocar enjôo. E econômico no que, do mesmo modo, não deveria ser. Faltam os complementos de alguns verbos. Por exemplo em: “não alimentar dentro do ônibus”. Não alimentar quem? Porventura as galinhas que viajam com os estudantes, empoleiradas nos maleiros.

Mas o problema mais interessante é aquele que permite a subversão dentro do próprio documento. Duas regras formam uma dobradinha imbatível: “não fazer bagunça ao entrar dentro do ônibus” e “respeitar os colegas dentro do ônibus caso estejam dormindo”. Só não se pode fazer bagunça se você estiver entrando no ônibus; respeitar o colega, só se ele estiver dormindo. Então, durante a viagem, deixe dormir os dorminhocos, faça bagunça à vontade e desrespeite os despertos. Está previsto no documento, sim senhor!

Penso que é assim que agem os advogados nos trâmites da lei. Se é válido o que está registrado com assinatura, a forma é encontrar brechas na linguagem para contrariar o sistema.


suene honorato

8 Comentários:

Às 29/8/07 18:44 , Blogger Rodrigo Rodrigues disse...

É, acho que o sr. Leoncio não leu o que assinou. É valida a intenção de fazer-se preservar o meio de transporte, mas atropelar a língüa de tal forma é muita imprudência para um Secretário de Transporte.

 
Às 31/8/07 00:48 , Anonymous Thiago P. disse...

Texto bem legal, muito dinâmico e com alguns apontamentos interessantes se tomado que o mundo existe enquanto comunicação.

Na liberdade de acrescentar ao último problema abordado, a maioria das jurisprudências recorridas atualmente dão vazão à interpretação do texto, e não à leitura rígida do protocolo estipulado, justamente para se evitar atitudes de má fé e para fazer valer a superioridade da mensagem perante um texto falho.

Como o resultado final de um julgamento depende da figura mor que o delibera, o juíz, essa corrente interpretativa, todavia, não pode ser tomada como regra universal. Para se evitar tal centralismo de poder na figura de uma única pessoa é que se existe como medida paliativa a possibilidade recursos em instâncias superiores, mas, isso é uma outra história...

 
Às 12/9/07 23:58 , Anonymous Anônimo disse...

fala sério!!!!

 
Às 18/9/07 21:00 , Blogger Dheyne de Souza disse...

ônibus!

 
Às 13/10/07 15:48 , Anonymous carol disse...

ônibus! [2]

 
Às 28/10/07 14:09 , Anonymous Anônimo disse...

Parabéns!
Ótimo texto!

 
Às 10/4/08 23:02 , Blogger .guga valente. disse...

Ta fazendo direito, Suene? rsrsrsr

Ambigüidades à parte, seu texto explora bem as possibilidades da linguagem e, fora de contexto, a redação do texto é mesmo risível (acho essa palavra tão... tão... risível!). Mas só entende essas outras possibilidades que você apontou quem realmente não quer se adequar à boa conduta dentro do ônibus, porque o texto é inteligível e, acredito, dentro do ônibus ninguém vai explorar esses outros sentidos se não para fazer troça do texto.
Não estou defendendo texto mal escrito e cheio de ambigüidades, estou mais preocupado com a mensagem do que com o resto.
Dá boa discussão! Beijo, Suene!

 
Às 3/11/08 16:36 , Blogger edimar filho disse...

"...mas, nos estreitos limites a que nos coage a gramática e a lei, ainda nos podemos mover"

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial